sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

As palavras transferidas. XII - Encíclico

Aonde a subtileza do poema à perda certa?
Ei-la na cidade à cova escura
sabiamente administrada nos cafés
esperando a vida quando tudo arde
entre as árvores e a solidão
sob o influxo das marés.
Mas é urgente transferir as palavras para o abismo:
dizer a falta que me fazes
para que o poema retome em queda livre a angústia inaugural.

Um dia todos os partidos serão de causas

http://www.destak.pt/artigo/86101-novo-partido-quer-incentivar-portugueses-a-excluir-carne-da-sua-alimentacao

Novo partido quer incentivar portugueses a excluir carne da sua alimentação

A alteração dos hábitos alimentares dos portugueses, nomeadamente da carne industrial, a comparticipação de medicinas alternativas e a criação de uma polícia para as questões animais são propostas do futuro programa político do Partido pelos Animais e pela Natureza (PAN).
Os responsáveis do PAN, constituído este mês, apresentaram hoje em Lisboa a sua declaração de princípios e objectivos, que servirá de base ao programa político do partido, a aprovar no primeiro congresso, que deverá decorrer dentro de três meses.
“O PAN é um partido de causas, que abraça as três grandes causas – humanitária, animal e ecológico-ambiental -, considerando-as inseparáveis”, anunciou Paulo Borges, da comissão coordenadora do partido, que assume como um dos objectivos a luta contra “todas as formas de discriminação e violência contra os animais, combatendo o especismo como parente próximo do esclavagismo, racismo, sexismo e classicismo”.
O novo partido quer consagrar na Constituição da República a “senciência dos animais (capacidade deste sentirem) e o seu direito à vida e ao bem-estar” e alterar o Código Civil, “onde são reduzidos ao estatuto de coisas”, e defende, para já, “uma efectiva aplicação da lei existente e a punição dos seus infratores”, propondo a criação de uma “unidade policial especificamente voltada para as questões animais”.
O partido sugere a realização de uma campanha educativa “no sentido da progressiva alteração dos hábitos alimentares dos portugueses, em particular o consumo de carne industrial”, alertando para o impacto negativo da pecuária intensiva sobre a saúde pública e o ambiente, nomeadamente na desflorestação e maior emissão de gases que contribuem para o aquecimento global.
“Os animais são as grandes vítimas dessa aberração chamada indústria da carne, mas também somos todos nós, porque os animais que nós comemos são animais doentes”, afirmou Paulo Borges, acrescentando que, segundo “estatísticas recentes feitas nos Estados Unidos”, todo “o investimento de energia, de trabalho, de riqueza, de cereais e água que é feito para alimentar o gado bastaria para alimentar diretamente 800 milhões de pessoas”.
A redução das taxas sobre os produtos de origem natural, o aumento das taxas sobre os produtos da agropecuária intensiva, a obrigatoriedade de existência de opções vegetarianas nas escolas, cantinas públicas e restaurantes são outras propostas do PAN.
O partido quer “redignificar os professores”, considerando que a educação deve ser “um dos investimentos estratégicos” do Estado, em detrimento de “gastos com a defesa, exército e obras públicas de fachada”.
Na saúde, o PAN propõe a criação de um serviço público “eficiente e acessível a todos, que inclua a possibilidade de opção por medicinas e terapias alternativas”, e a sua comparticipação pelo Estado, tal como os medicamentos naturais.
A proibição de “todos os espetáculos que causem sofrimento físico e psicológico aos animais” e a “abolição total da experimentação” em animais são outros princípios defendidos pelo PAN, que pretende ainda a existência de hospitais veterinários comparticipados, a reestruturação dos canis e gatis.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

O link do poema

http://universosdesfeitos-insonia.blogspot.com/2010/12/poema.html

Segunda-feira, 6 de Dezembro de 2010

POEMA
No dia 5 de Março de 1872, Petr Hynek Preisner escreveu um poema em checo. 50 anos depois o famoso tradutor Thomas Roderick descobriu o poema de Preisner numa antologia alemã de poetas checos. O tradutor alemão do poema de Preisner foi Wilhelm Gottlieb von Bodenstedt. Roderick pegou na tradução alemã do poema de Preisner e verteu-o para a língua de Shakespeare. No dia 7 de Abril de 1924 o poeta espanhol Rafael Gonzalez incluiu o poema numa antologia de poemas de intervenção que então organizava. 70 anos passados, um jovem português, estudante de línguas, pegou num exemplar dessa antologia que se encontrava à venda na Feira da Ladra. Comprou a antologia e levou-a para casa. Leu o poema atribuído a Petr Hynek Preisner e verificou que se tratava de uma tradução espanhola de uma versão inglesa feita a partir de uma tradução alemã do original checo. Procurou o original por todo o lado, mas os seus esforços saíram gorados. Entrou em contacto com colegas checos, mas na República Checa ninguém conhecia Petr Hynek Preisner. Nunca tal nome circulara entre os académicos de Praga. O jovem estudante português fez a sua própria versão do poema, a partir da versão espanhola, mas resolveu tomar algumas liberdades e meteu-o a circular na Internet, anonimamente, sem qualquer referência a autor, origem ou proveniência. Nada de nada. Nem sequer referiu tratar-se de uma tradução. E há quem diga que foi o melhor que podia ter feito. Aquele poema já nada tinha que ver com o poema escrito a 5 de Março de 1872 por Petr Hynek Preisner.

Publicada por hmbf em 23:03

comentários:

benjamim machado disse...

e qual é o poema? poderias voltar a transcrevê-lo, ou enviar-mo por e-mail? gostaria de o ler.

abraço


8 de Dezembro de 2010 09:36

hmbf disse...

O poema, Benjamim, é o poema.




segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

The the empty. Le Tigre


minimal

quando deres por ti sem palavras
e encontrares do outro lado as palavras vazias
ou o silêncio determinante

quando todos os argumentos te enjeitarem
e o melhor de ti derrubado a cada voo
como tiro aos pratos

quando deres por ti sem um olhar
que te acolha
e os teus olhos se afundarem na sombra

quando tudo for previsível
e aceitares a derrota ao sobrenatural
- ninguém renasce das cinzas porque não há outra vida

quando ir à rua te for uma viagem questionável
ou qualquer outra em que seja preciso atravessar o tapete
- para quê viajar se tudo é previsível?

quando deres por ti sem histórias para contar
nem a força para isso
e te negarem as que anseias

quando deixares de ansiar
e tiveres entregado os pés ao chão
como máquina social

quando as mãos que te tocam
forem somente água do chuveiro sobre os ombros
e o pescoço fundido nos joelhos

quando deres por ti insuficiente
e desistires de ti mesmo
por não haver como mensurar a aprendizagem

quando tudo isto perfizer a soma dos dias
e deixares de ser bom
para que nada mais te corrompa

então aí
quando deres por ti
minimal, desinteressado
terás aprendido a ser um homem

O mar em "Melincué". María Cecilia Muruaga (Camões e Companhia, 2010)

"O mar, infinito ou não, já não me enfurece. Antes, a contundência dessa imagem incompleta irritava-me um pouco, sobretudo se pensava na teia de conceitos exemplares que a civilização tece para os homens novos. O orgulho, a coragem, o empenho, a constância, a pureza, o mistério, a abundância e demais coisas que a moral me atribui, fazem-me sentir como um aluno à espera da decisão do professor em frente a estas águas enegrecidas pela areia. Dizem que se pode encontrar tudo no mar, que no centro escuro da água existe a imensidão. O meu avô comparava-o a uma grande vagina de onde tudo entra e tudo sai, e eu, que há muito deixei de ser um homem novo, compreendo agora que o ignorado tem para todos uma representação reiterativa, atávica. Os mesmos desenhos, os mesmos símbolos, as mesmas reflexões sobre os símbolos, o mesmo assombro. Sentado em frente ao mar, o cu frio de tanto suportar a areia húmida e dura, os olhos irritados pelo vento, não deixo de perguntar ao que viemos.
[...]
Já não importa, digo para comigo, a imensidão do mar, mas mesmo assim, não compreendo porque é que escolhemos estar à beira de algo a que não vemos o fim. Não tenho de me preocupar com nada, dizem, porque não se passa nada.
[...]
O mar, infinito ou não, não me surpreende. Penso que, como a vida, está repleto de restos em decomposição. Partículas pequenas, transformando-se em outras mais pequenas, e outras, e outras mais, até desaparecer. Tudo se desintegra e molha no mar, tudo se empapa com esse líquido escuro, e se transforma numa areia que depois se transmutará em nada. É fácil imaginar a morte, por isso os suicidas escolhem a água: porque afoga e desfaz."

eu, agora

"O acordar começa com o dizer existo e agora. Então, aquele que acordou mantém-se por instantes deitado, de olhar fixo no tecto e em si próprio, até ter reconhecido o eu e, a partir daí, deduzido eu existo, eu existo agora. O aqui vem a seguir e é pelo menos negativamente reconfortante; porque o aqui, esta manhã, está onde esperava encontrar-se; naquilo a que costuma chamar-se em casa.
Mas o agora não significa simplesmente agora. Agora é também uma recordação fria, um dia a mais do que ontem, um ano a mais do que o anterior. Todo o agora traz o rótulo da sua data, tornando obsoletos todos os agora passados, até que, mais cedo ou mais tarde... [...]"

"O indivíduo que estamos a observar lutará até cair. Não porque seja heróico. Não é capaz de imaginar uma alternativa.
Olhando cada vez mais fixamente para o espelho, vê muitos rostos contidos no seu - o rosto da criança, do rapaz, do jovem, do menos jovem -, todos ali estão, preservados como fósseis em camadas sobrepostas e, tal como os fósseis, mortos."

"Tem de cobrir a sua nudez. Tem de vestir-se, pois vai lá para fora, para o mundo dos outros. E esses outros terão de saber identificá-lo. O seu comportamento tem de ser aceitável aos olhos deles. [...]
Nessa altura, já está vestido: transformou-se num ele; [...]"

Um homem singular. Christopher Isherwood (Quetzal, 2010).

http://www.myspace.com/coboltmusic/music/songs/The-Fire-19638227


"Um homem singular". Christopher Isherwood (Quetzal, 2011)

"Mas as mulheres explicaram-lhes, logo desde o início e do modo mais inequívoco, que procriação e boémia não são para misturar. Para se procriar é necessário um emprego estável, uma hipoteca, crédito, seguros. E que ninguém se atreva a morrer até ter o futuro da família assegurado."

"O que pensam eles que estão a fazer aqui [na universidade]? Bem, existe a resposta oficial: a preparar-se para a vida, o que significa um emprego e segurança no seio da qual possam criar os filhos e ensiná-los a preparar-se para a vida, o que significa um emprego e segurança no seio da qual..."

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Um tolo de vermelho

Corpo de silêncio,
contínua anulação, vigília muda.
Este poema exclui e substitui qualquer alteração que dele advenha.

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

As palavras transferidas. XI - Jogo de sombras

Entre o objeto e o mundo, as palavras transferidas.
Aprendemos a noite em movimentos circulares,
contornadas as coisas e os artefactos. Um copo,
como um globo, sobre a mesa da sala:
o copo remete a sua sombra para a mesa e a mesa para o chão.
Desça o copo até aos pés, para vingar a mesa; como vingaremos o chão?
Nisto, abandone o eixo, escadas abaixo, a porta escancarada
para a noite interminável: como vingaremos a casa escura?
Regresse à sala e enfrente o mundo. Deambule com ele nas mãos
em redor da mesa, levando-o à boca para sorver a noite, o tempo.
Volte a encher o mundo circulante e, consumido por fim, deixe-o cair.
Enquanto varre os destroços, pense como é bela esta nossa rotativa
propensão para o fim de tudo, e chame a isso o sentido da vida.
Para acrescentar-lhe uma perspetiva moral e económica,
opte por vingar-se com representações baratas da esfera
e a cada volta reconheça no verbo partir todos os seus significados.

domingo, 2 de janeiro de 2011

Escrita Redita. Pedro Tamen (Presença, 1998)

Faz hoje oito dias tinha eu oito anos
e tudo era real como nascer de parto.
Faz hoje oito anos tinha eu oito dias
e tudo era igual como partir de facto.
Ressonhar delido é mais trás que frente
(saragoça do canto, que mais me descobre?),
mas dizer poente tanto vem ao caso
como deitar água na mulher de Lot.
Assestar o dedo num ponto do mapa
e acertar o passo com a viração:
viver tendo ao pé as grutas de nada,
morrer devagar entrando no chão.

*

Toca guitarra aquele
que tem unhas.
E ao tocador de garras
que instrumento darás?

*

Aquele que não ama nem odeia,
por não ferver, azeda como o leite.

Do extermínio. Jaime Rocha (Relógio d´Água, 2003)

19.

Só o silêncio é capaz de ocupar essa visão do espelho.
Um homem está morto dentro de um pássaro
e é o seu corpo que se vê através da luz.
Um anjo sai do chão ao seu encontro,
descreve uma curva sobre a sua roupa
e depois transforma-se numa espiral de fogo.
Faz um único gesto. Tal como o pássaro,
o seu nome está inscrito numa rua da cidade,
mas as letras desapareceram no instante do olhar.

*
24.

Tudo está a ser desenhado por um arquitecto.
Primeiro as casas, depois os homens. E só então
se define o leito de todas as mortes. Os pássaros
removem a palha por entre os tijolos, enquanto
o arquitecto olha para o espelho e revê a cidade
antiga. Como o reflexo acaba nas margens do vidro,
ele constrói para cima em direcção ao sol até que
os prédios ardam e as cinzas transformem o chão
numa cintura de veludo.

American Scientist. António Gregório (Quasi, 2007)

AMERICAN SCIENTIST

Lemos que estava a expandir-se o universo e
imaginámos perplexos a quantidade
de espaço novo a dispor entre todos quando
bem contados nem somos muitos. Ela disse
com certeza calhar-nos-á algum e que era
um luxo quase imoral como tomar banho
de banheira cheia nestes meses de seca
prosseguirmos os dois à beira da fusão.

Numa carta electrónica de resposta à
minha o articulista garantiu que nada
se expande eternamente e no prazo de algumas
gerações estelares há-de o universo
encolher outra vez e que por isso o espaço
que nos aparta é só uma questão de tempo.

*

TRANSUMÂNCIA

Agora vou com os animais que vão
no rasto dos lugares donde a água
vai fugindo e que perseguem a orla
do rareamento do pasto: a fome
é móvel como a comida concorre
andando ao mesmo passo atrás de nós.

Um dia ela abriu o peito e mostrou-me
a aridez que transportava e eu
deslumbrado disse que não tinha ideia
do nosso tempo sedentário a
erosão trabalhando-nos assim
vorazmente.

Não seduzir. António Martinho (Alinhavar, 2003)

AS ÁRVORES

Passado o Inverno,
as folhas regressam às árvores.
Em mim continua o frio
e o vento agudo.

(E nada a mim regressa
e nada tenho nos braços).

Mas abro os braços como ramos
e mantenho-os abertos até não poder mais,
a tentar iludir as folhas
e as aves.

*

O SOL, OS GATOS E OS DONOS DOS GATOS

O Sol,
quando as nuvens são mais vulneráveis,
atravessa-as
e vem aquecer os dorsos dos gatos.

Os gatos,
quando os donos estão mais disponíveis
saltam
e vão aquecer-lhes os colos.

Os donos,
quando estão entediados,
escrevem, preguiçosamente,
sobre os gatos,
sobre o Sol,...

sábado, 1 de janeiro de 2011

a opinião das estatísticas

Na opinião das estatísticas, este foi o link mais acedido nesta rua, e esta foi a música mais encontrada. Passaram pela rua treze desertores da Tailândia. Alguém chegou aqui à procura de "ovnis em Portugal". Eu não os vi, a rua continua deserta.