domingo, 28 de fevereiro de 2016

As palavras transferidas. VI - O mito da informação

Entre o ser e a denúncia, as palavras transferidas:
ser é o prenúncio cadente, a perceção das coisas,
simulacro de incêndio, arrepio e urgência
do ato, o movimento que fixa, dissemina
e esquece a ideia inaugural.
Procuramos a origem no horizonte,
na lufa-lufa dos corpos e das braças de água.
Esgravatamos a terra iludidos com sementeiras e plantações
na colheita da fome. O gesto das máquinas desenha a origem
na produção da palavra, a vida deflagrada é um incêndio
na forma de simulacro de sentido. A construção pelo fogo.
Também a palavra é máquina a transferir-se para o gesto,
a configuração das ideias – das chamas –
num projeto a carvão que denuncia
o mundo a partir da narrativa.
Então o mundo é ele todo, em si mesmo, o seu anúncio.
E esta é a sua notícia.
Informados disto, da cinza do mundo,
seguimos agora para o nosso entediante intervalo
de publicidade.

Sem comentários:

Enviar um comentário