domingo, 28 de fevereiro de 2016

As palavras transferidas. IX - Do espetáculo-vida

Entre o jogo e a verdade, as palavras transferidas.
No fascínio do jogo a universalidade das metas –
o jogo é assim representação plena do mundo,
movimentos irrepetíveis na tômbola dos dias,
o campo iluminado de verdade na noite interminável.
O jogador concebe e reproduz a conceção
em movimento sistémico
na emergência do fim.
E isto é a arte.
Deificamos o que é finito.
A finitude é a essência do jogo,
a sua maravilhosa perfeição.
O fim do mundo não é o fim do mundo,
daí que o jogo o represente e reproduza,
submetendo os dias giratórios e a certeza da noite
aos artifícios do deslumbramento pelo efémero,
à adoração das marcas e da nomeação.
E, enfim, das datas.
Parabéns.

Sem comentários:

Enviar um comentário