sábado, 28 de maio de 2011

Venha daí esse clarinete!

Vila Real, 27 mai (Lusa) -- Catorze companhias do Norte participam até sábado no Encontro de Indústrias Criativas, em Vila Real, onde durante 15 minutos dão a conhecer os seus espetáculos de teatro, música ou dança a programadores provenientes da Galiza.

Organizada pela Direção Regional da Cultura do Norte (DRCN), esta "feira da cultura" começou hoje e termina no sábado, no Teatro Municipal de Vila Real.
Paula Silva, responsável pela DRCN, explicou que o encontro tem como objetivo a divulgação de projetos artísticos promovidos por agentes culturais sedeados na região Norte de Portugal junto de programadores galegos.
O formato é simples. As companhias sobem ao palco durante 15 minutos para mostrarem os seus espetáculos e convencerem os programadores a comprá-los.
O arranque do projeto foi dado pela Peripécia Teatro, um grupo que junta atores portugueses e espanhóis e que está sedeado em Vila Real.
O ator e diretor Sérgio Agostinho apresentou "Antes solo Que Mal Acompanhado", uma coprodução com o Teatro de Vila Real, onde a companhia junta o humor à música clássica para contar a história de Ludovico, um homem frustrado que trabalha num escritório e que não é feliz com o que faz.
Interpretado por Luís Filipe Santos, Ludovico esconde uma paixão pelo clarinete. Ao longo de uma hora são interpretados diversos temas de compositores clássicos e contemporâneos consagrados como Bach e Donizetti, Nicola Resanovic e Janos Komives e Milluccio.
O mundo de Ludovico é constantemente interrompido pelo espanhol Ángel Fragua, que dá o toque de humor à produção e interpreta quatro personagens que concilia ainda com a parte técnica, luzes e música.
"Esta é uma ótima iniciativa porque dá a oportunidade de nos mostrarmos ao vivo junto do público e dos programadores da Galiza", salientou Sérgio Agostinho.
Esta é a segunda vez que a Peripécia participa nestes encontros organizados pela DRCN, apesar de na primeira não terem "concretizado nenhum contrato".
"No ano passado não deu resultado, mas não é por isso que desistimos. Acreditamos que esta é uma forma mais eficaz do que um contacto feito à distância", sublinhou.
E se os programadores assim o quiserem, os contratos podem ser feitos de imediato.
"Entendemos que este pode ser um papel importante que a DRCN pode ter que é ligar e juntar estruturas, criar redes, elos de ligação. Há uma similitude de língua muito grande que permite de certa forma a comunicação fácil a nível de teatro", acrescentou Paula Silva.
Participam ainda no encontro o Teatro Bruto, o Teatro da Palmilha Dentada, Balleteatro, Companhia de Dança do Norte, Associação Movimento Increativo, Ensemble -- Sociedade de Atores, Filandorra -- Teatro do Nordeste, Rui Spranger, Visões Úteis, Teatro Art'Imagem, Urze Teatro, Entretanto Teatro, e Tó Trips, que faz o concerto de encerramento.

PLI.
Lusa/Fim